(Antfer) #1

genro, Cristiano Zanin, advogados do ex-presidente Lula, e o ex-presidente do STJ,
César Asfor Rocha, acusado de receber 2,67 milhões de reais por meio de
subcontratações feitas por três escritórios contratados pela entidade na gestão Diniz.


Embora não tenha sido denunciado, o onipresente Frederick Wassef, que atuou na
defesa de Jair Bolsonaro e de seu filho Flávio é outro aparecer na história. Os
escritórios de Wassef e de dezenas de outros advogados são suspeitos de integrar um
esquema que pode ter desviado cerca de 355 milhões de reais. Os repasses a Wassef se
deram por meio do escritório da advogada Luíza Eluf. Dados obtidos pelo Conselho de
Controle de Atividade Financeira, o Coaf, mostram que ele recebeu ao menos 2,
milhões. Surgiu, na investigação, até mesmo um elo de Wassef com Delúbio Soares, ex-
tesoureiro do PT. O MPF explica que a contratação de Luíza ocorreu a pedido do
publicitário Marcelo Cazzo, “não tendo o trabalho realizado justificado o valor de
contratação”. Segundo Diniz, a advogada, com quem se encontrou uma única vez em
2016, foi indicada ao publicitário por “Ivan Guimarães, dono da empresa Corseque
Security, com quem a Fecomércio também mantinha contrato”. Ivan Guimarães foi
presidente do Banco Popular no primeiro mandato de Lula, indicado ao cargo por
Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT. Guimarães, afirmou Diniz, “era muito próximo
de Frederick Wassef”.


Reginaldo Pimenta/Raw Image/Folhapress

Na delação, Orlando Diniz diz que os pagamentos milionários visavam à
perpetuação no poder da Fecomércio

Crusoé acompanhou todo o processo de negociação da delação de Diniz com fontes
ligadas ao caso. Ao longo desse período, o ex-presidente da Fecomércio reuniu-se
várias vezes com sua advogada, a criminalista Juliana Bierrenbach, para fornecer
detalhes sobre como torrou centenas de milhões de reais em contratos firmados com
caríssimas bancas de advogados, algumas delas ligadas a ministros de tribunais
superiores – não raro, Diniz escrevia à mão os rascunhos enviados a Bierrenbach, para